faaace

Nem nos melhores sonhos do paulista Hector Santiago ele imaginava realizar o que viveu na última sexta-feira, dia 7 de abril. Na 36ª edição do WGP Kickboxing o lutador de São Bernardo do Campo venceu o paranaense Bruno Cerutti para se tornar o novo campeão dos leves (até 60kg) da organização. Com a vitória e a realização de um sonho de criança, Hector sabe que a responsabilidade aumentou e já projeta o próximo duelo, diante do argentino Ignácio  Capllonch, vencedor do Challenger GP da divisão, realizado também na última sexta.

O duelo com Bruno Cerutti foi mais tranquilo do que o próprio Hector imaginava. Apesar da qualidade do oponente, que estava devidamente credenciado à disputa do título, o que o público viu foi um Hector dominante durante os cinco rounds do duelo e que por pouco não nocauteou o adversário ao aplicar dois knockdowns durante a luta.

“A sensação foi maravilhosa, a melhor possível. Eu já estava muito feliz antes de subir no ringue. Já entrei feliz, sentindo a torcida do meu lado e a sensação de estar prestes a realizar um sonho me motivava demais, por isso as coisas saíram tão naturalmente. Lutei com alegria e acho que esse foi o diferencial”, afirma, para completar sobre suas impressões a respeito do duelo.

“Por mais que eu tenha dominado os cinco rounds não acho que foi uma luta fácil, sentia que corria perigo o tempo todo e até por isso busquei o nocaute a luta inteira. Eu tenho uma coisa que é não conseguir entrar em uma de garantir a vitória e controlar a luta nos rounds finais.Gosto de ganhar round por round, não consigo rodar, fugir, clinchar, por mais que as vezes sei o quanto isso é necessário. Sempre acho que posso fazer mais e foi o que fiz, já estava com a luta garantida, mas busquei no quarto e mais ainda no quinto porque não podia sair de lá sem dar meu máximo”, afirma.

E mal acabou de conquistar o cinturão, o paulista já tem um novo desafio pela frente. Na mesma noite que derrotou Bruno Cerutti, Hector conheceu seu próximo adversário. O argentino Ignácio Capllonch, visto com um dos grandes nomes da divisão dos leves, fez jus ao favoritismo e venceu o brasileiro Ricardo Koreano e o chileno Felipe Artillero para se tornar campeão do Challenger GP da divisão e novo desafiante ao título recém conquistado por Hector.

“O Ignácio é um adversário duro, muito versátil. Eu acho que vai ser mais um espetáculo e quem ganha é quem acompanha o WGP. Com certeza quando chegar a hora vou estar preparado para manter esse cinturão aqui no Brasil. Foi muito difícil chegar até aqui e não vai ser na primeira oportunidade que vou deixá-lo escapar. Sei da qualidade do Ignácio, mas para tirar esse cinturão daqui de São Bernardo vão ter que suar muito”, garante.

Com o título, o paulista sabe que a responsabilidade aumenta, mas isso não incomoda Hector que afirma lidar bem com essa pressão. “O que muda agora é a realmente responsabilidade, chegar no topo não é fácil, mas se manter nele certamente é muito mais difícil. Espero que surjam novas oportunidades de expandir minha carreira. O foco vai ser ficar com esse título durante muito tempo porque certamente segurá-lo vai ser mais difícil do que foi conquistá-lo”, finaliza.