faaace

A noite do dia 7 de abril será mais do que especial para o paulista Cesar Almeida. Além de retornar ao WGP Kickboxing para encarar o paraguaio Marcelo Nuñes na capital paulista, sua cidade natal, Cesinha tem mais motivos para se sentir em casa. A 36ª edição do maior evento da modalidade na América Latina acontece no ginásio do São Paulo FC, clube de coração do lutador. O fanatismo pelo tricolor do Morumbi garante uma inspiração e tanto para Cesinha dar seu show. O evento tem início às 19h30, com a transmissão a partir das 22h no Canal Combate, Bandsports e Fox Sports.

“Lá dentro do Morumbi eu não vou perder nunca, sou são-paulino doente e lutar dentro da casa do São Paulo é uma grande motivação. Além de estar na minha cidade com todos meus amigos e familiares me apoiando tenho certeza que a energia do local, que já foi palco de grandes conquistas do SPFC, também vai me guiar até a vitória”, afirma Cesinha, que cogita entrar para o duelo ao som do hino do clube.

Apesar de apenas 28 anos, Cesinha é considerado um dos mais experientes atletas de Kickboxing no Brasil. Na carreira Cesinha soma 32 triunfos e apenas seis derrotas. No WGP Kickboxing ele é um dos atletas com mais participação na organização, tendo subido ao ringue em 12 oportunidades e saindo com a braço levantado em nove. Para o duelo diante de Nuñes, Cesinha tem feito todo seu camp em São Paulo na sua academia e admite não conhecer muito sobre o oponente.

“Confesso que não consegui achar muita coisa sobre ele, mas isso não é algo que me preocupa. Já lutei com os melhores kickboxers do Brasil e estou preparado para qualquer coisa que ele possa me oferecer. No primeiro round vamos dar uma estudada e com tranquilidade vou buscar a vitória onde a luta se desenrolar”, confia.

Uma das inspirações dentro do ringue para Cesinha vem do Rio de Janeiro. Aluno e amigo de Pedro Rizzo, um dos maiores nomes do Kickboxing mundial, o lutador não pôde se deslocar até a cidade maravilhosa para reforçar seu camp, mas garante que os ensinamentos de Rizzo fazem parte do seu dia a dia.

“Conheci o Pedro através do Braddock, meu parceiro de treinos. A gente teve o primeiro contato quando eu fui ajudar ele no camping para sua última luta e desde então eu comecei a fazer da equipe.

Quando tenho luta, sempre dou um jeito de ir ao Rio aprimorar as técnicas, mas dessa vez não foi possível. O Pedro é uma grande inspiração. Eu já gostava muito da sua marca registrada, que são os low kicks, e depois que conheci ele pude dar uma refinada nessa minha característica, me tornando um atleta ainda mais completo. Não é todo mundo que tem a oportunidade de beber a água direto da fonte né? ”, afirma o atleta aos risos.

Ajuda de campeão da divisão no camp

Cesinha lutou a maior parte de sua carreira pela divisão dos cruzadores (até 85kg), mas recentemente resolveu subir de categoria para manter os combates no seu peso natural e evitar o desgaste com o corte. A subida, porém, impede o paulista de sonhar o título da divisão, já que o atual campeão, Felipe Micheletti, é seu grande amigo e, inclusive, o ajudou na preparação para o duelo diante de Nuñes.

“Meu objetivo a curto prazo é disputar e ganhar o GP do evento e depois buscar um grande duelo internacional. Não penso no cinturão da categoria dos pesados porque o Micheletti é muito meu amigo, parceiro mesmo. Nesse camp ele veio de Sorocaba até São Paulo só para me ajudar e agregou bastante ao meu jogo também”, garante.

Além do combate entre Cesinha e Marcelo, o WGP #36 estreia em 2017 com disputas de cinturão entre os pesos meio-médios (até 71,8kg) e leves (até 60kg). Atual campeão dos meio-médios, Ravy Brunow defende seu título na luta principal da noite diante de Marcelo Dionísio, vencedor do último Challenger GP da divisão. No co-main event, entre os leves, Bruno Cerutti encara Hector Santiago na briga pelo cinturão atualmente vago depois da subida de divisão do ex-detentor Paulinho Tebar, que também está presente no card e encara Wilson Djavan em outra super luta.