faaace

A estreia do WGP em Curitiba, no próximo dia 1 de julho, tem tudo para ser uma edição histórica. Para um atleta, inclusive, a noite reserva fortes emoções. O ex-campeão dos leves Paulo Tebar tem a chance de conquistar o cinturão do WGP em duas categorias distintas, dessa vez pela divisão dos super-leves (até 64,5kg) entrando para um seleto grupo, que hoje conta apenas com Guto Inocente. Tebar encara o gaúcho Guilherme Sanchos na luta principal da 38ª edição, que acontece no Ginásio Círculo Militar, na capital paranaense.

“Tebar e Sanchos é uma luta que está gerando muita expectativa em todos que acompanham o WGP. Apesar de dominante na categoria debaixo essa subida fez bem
para o Tebar e ele está claramente mais forte. Sanchos é um atleta que sempre cumpriu todas as suas obrigações no evento, mas principalmente é um atleta muito capacitado. Apesar de ter perdido para o Buzika ele ganhou essa chance do título em cima do ringue pelas suas atuações e não tenho dúvidas que vamos ser presenteados com um combate de alto nível”, afirma Paulinho Zorello, diretor-executivo do WGP.

Paulistano da capital, Paulo Tebar sabe que terá um grande desafio pela frente. No início do ano ele tomou uma importante decisão na carreira: abriu mão do cinturão dos leves para subir de categoria por conta do agressivo corte de peso da divisão. O retorno a nova divisão, já que começou lutando nesta categoria, foi em grande estilo. Na primeira edição do WGP em 2017, de número 36, Tebar despachou Wilson Djavan com uma atuação dominantes, sem dar chance a interpretações.

O paulista vai tentar conquistar o posto que era de Emerson Falcão, lutador da Nova União e um dos treinadores do astro José Aldo, que também abriu mão do título para tratar de uma grave lesão na perna. Com dez lutas disputadas na carreira e boa parte da sua história construída no WGP, Tebar, aos 26 anos, faz o segundo duelo no evento em menos de três meses depois de longo tempo afastado da organização.

O oponente de Tebar é o gaúcho Guilherme Sanchos que conquistou a chance pela sua performance e profissionalismo no WGP. Natural de Porto Alegre, o lutador vem de derrota para Anderson Buzika no seu último duelo, em combate que valia o cinturão interino da categoria – na época Falcão ainda era o campeão linear -, mas Buzika não bateu o peso-limite e a conquista de título foi anulada, segundo prevê as regras da WAKO PRO (World Association of Kickboxing Organizations), entidade que chancela o evento. Com isso, a organização entendeu que o mais justo era a presença de Sanchos diante de Tebar, já que o retrospecto do lutador é extremamente positivo.

Aos 25 anos, ele possui um cartel de 44 combates, com impressionantes 38 vitórias e apenas seis derrotas. No WGP, o atleta vinha de três triunfos consecutivos até o revés para Buzika. Conhecido pela agressividade e velocidade, ele detém títulos como o de campeão brasileiro (amador) em 2015 e campeão Kickboxing Open em 2014. Sanchos também conhecido como Ceará e integra a equipe Ceará Team.

O WGP Curitiba conta ainda com duas lutas bônus, que prometem ferver o ginásio Círculo Militar. Os compatriotas Ariel Machado e Jhonata Diniz encaram o argentino Lucas Alsina e o paraguaio Carlos Meza pelas divisões dos pesados (até 94kg) e super-pesados (+94,1kg) respectivamente. Além disso, a categoria dos super-leves também conhece o próximo desafiante com a disputa do Challenger GP com as semifinais entre Inglesson de Lara vs Vinicius Bereta e Jordan Kranio vs Samuel Pereira.