site

A 39ª edição do WGP Kickboxing, que acontece no dia 22 de julho, em Vitória, no Espírito Santo tem um duelo feminino como destaque da noite. Mas além da disputa de cinturão entre Barbara Nepomuceno e Val Stanski, a edição promove outras duas lutas entre mulheres que prometem mexer com a emoçãodos fãs de kickboxing. Na abertura do card principal, a catarinense Daiana Torquato encara a capixaba Mery Ellenn pela divisão dos penas feminino (até 56kg). Depois, a paulista Aline Pereira, irmã do atual
campeão dos cruzadores (até 85kg) Alex Pereira, enfrenta a anfitriã Rayane Vieira pela divisão peso-leve feminino (até 60kg).

“As mulheres vem ganhando cada vez mais espaço no cenário das artes marciais e no kickboxing não é diferente. Não havia oportunidade melhor de colocar essas meninas para lutarem se não fosse nessa edição já que ela é encabeçada por duas mulheres. Não temos dúvida que veremos grandes lutas nessa edição e cada vez mais as mulheres dividindo o protagonismo com os homens no WGP”, garante Paulinho Zorello, diretor-executivo do WGP.

Uma das lutas que mais vem criando expectativa entre o público é entre Aline Pereira e Rayane Vieira. Paulista de São Bernardo do Campo, Aline tem 26 anos, mas iniciou a carreira no kickboxing há pouco tempo por influência de um nome muito conhecidos dos fãs do WGP. Ela é irmã do campeão peso-cruzador Alex ‘Po Atan’ Pereira e tem no irmão, além de mestre, sua maior inspiração. Conhecida pelo boxe extremamente afiado, ela é 11 cm mais alta que sua adversária e pode transformar a maior envergadura em uma vantagem. Aline faz sua estreia no kickboxing profissional, mas tem pela frente um desafio animador.

Isso porque, a capixaba Rayane Vieira estará literalmente em casa no WGP #39. Natural de Vila Velha, na Grande Vitória, a atleta de 24 anos terá 100% da torcida do público presente e leva uma certa vantagem sobre Aline no quesito experiência. Com nove lutas em seu cartel profissional, ela possui seis vitórias e apenas três reveses. Com títulos importantes na bagagem como o do Open Fight nas regras de K-1 e o bicampeonato capixaba no amador, ela também tem em quem se inspirar para sair vencedora.

Isso porque é membro da equipe Team Big G, liderada por Augusto Nasser e companheira de treinos da campeã Barbara Nepomuceno que defende o cinturão dos super-médios feminino na luta principal da noite.

Na luta feminina que abre o card principal do evento estarão frente a frente Daiana Torquarto e Meiry Ellenn Porto. Nascida e criada em Rio do Sul, a cerca de 200km da capital Florianópolis, a catarinense Daiane Torquato também é estreante no WGP, mas chega para o debute ainda invita na carreira profissional. Com 100% de aproveitamentos nos dois duelos disputados, a atleta de 26 anos carrega no currículo resultados importantes no ano de 2016 como o de campeã catarinense de kickboxing e vice-campeão do Open Kickboxing após resultado contestado. Ela é membro da Chute Boxe Floripa e é conhecida pela sua técnica e grande potência nos golpes.

A adversária de Daiane tem números que colocam medo em qualquer oponente. Natural de Colatina, quase 2h de carro de Vitória, local do evento, Meiry Ellenn é uma das atletas mais nova do card com apenas 21 anos, mas leva consigo uma bagagem de respeito. Com quatro lutas profissionais e quatro vitórias, a capixaba é 14 vezes campeã brasileira no amador e seis vezes campeã pan-americana, em diferentes modalidades do Kickboxing. Além disso, chegou a terceira colocação no Campeonato Mundial WAKO, realizado na Itália. Com um boxe afiado, Meiry promete dar trabalho a Daiane Torquato e só uma das duas terminará a noite do WGP #39 ainda invicta.

O evento conta ainda com a disputa do título dos super-médios feminino entre Barbara Nepomuceno e Val Stanski, além do Challenger GP dos meio-médios (até 71,8kg) que define o próximo desafiante do campeão Ravy Brunow. Marcelo Dionisio, Luis Castañeda, Sebastian Martino e Weber Shrek brigam pelo posto.