faaace2

O WGP #43, que acontece nesta sexta-feira, dia 15 de dezembro, tem ingredientes de sobra para um evento marcante na história da organização. Pela primeira vez na Argentina, em Buenos Aires, o maior evento de kickboxing da América Latina realiza seu último show de 2017 com disputa de cinturão e um Challenger GP emocionante, ambos pela divisão dos leves (até 60kg). Em um lado da chave do GP estarão dois velhos conhecidos. O brasileiro Bruno Cerutti reencontra Facu Suarez, rival que já derrotou no WGP, na briga por uma vaga na final diante do ganhador da outra semifinal entre Lucas Arce e Daniel Choque.

Natural de Guarapuava, no interior do Paraná, Bruno Cerutti é pupilo do tetracampeão mundial Deucélio Rodrigues. Aos 25 anos, o paranaense tem uma carreira profissional de 12 lutas e sete triunfos conquistados. Para o Challenger GP, Bruno realizou seu camp se dividindo entre Guarapuava com sua equipe e Curitiba, na Teixeira Team/ARENA, equipe de Rafael Teixeira, lutador paranaense recém-aposentado. E ele não esconde a expectativa para a primeira edição do WGP fora do país.

“Expectativa muita alta, esse GP é mais uma chance de disputar o cinturão, meu principal objetivo. Meu camp foi dividido entre minha equipe e o pessoal lá na Teixeira Team, é um camp um pouco diferente por ter a chance de fazer duas lutas na mesma noite, mas estou bem preparado. É uma sensação maravilhosa participar desse primeiro evento do WGP fora do Brasil, tenho certeza que vai abrir muitas portas não só para os estrangeiros como também para nós brasileiros. Então é concentrar e chegar lá pronto para dar meu melhor e sair com o título”, garante.

Do outro lado do ringue, Bruno verá um velho conhecido. Facu Suarez foi justamente sua última vítima no WGP, na edição 40. Antes disso, ele havia sido derrotado pelo campeão Hector Santiago, que faz a luta principal do WGP #43, na disputa do título da categoria. Caminho esse que ele busca retomar vencendo o Challenger GP. E lutar na Argentina não é problema para o paranaense.

“O Facu é um adversário forte, boa combinação, mãos bem pesadas chutes bons também. Conheço bem ele e espero que o resultado seja igual a última luta. Na outra semifinal conheço bem também o Lucas Arce, já lutamos duas vezes, um cara que se movimenta bastante. O Choque também vem muito bem, então não sei quem vence, só sei que vai ser uma grande luta e quero pegar o ganhador. E quanto a lutar fora de casa não vejo problema nenhum, eu confesso que adoro lutar em casa, mas com a torcida contra também tem um gostinho especial”, afirma.

Para chegar a final do Challenger GP, Cerutti terá que passar pelo argentino Facu Suarez. Aos 28 anos e natural de Bariloche, mas radicado em Buenos Aires, Facu tem uma motivação extra além de lutar no seu país natal. Sua última derrota foi justamente para Bruno Cerutti e ele garante que o resultado dessa vez pode ser diferente.

“Estou treinando bastante com a minha equipe para dar o melhor neste GP. Bruno é um lutador muito completo e estou muito feliz por lutar contra ele novamente, acho que agora vai ser diferente. Estou pronto para tudo o que vier. Do outro lado, Arce e Choque são dois bons e fortes lutadores e que ganhe o melhor. Minha cabeça está no primeiro objetivo, que é o Cerutti”, disse.

Com um cartel profissional de 10 vitórias em 15 lutas disputadas, Facu não esconde a felicidade por atuar em casa, apesar de ter nascido longe da capital argentina. Segundo ele, a expansão do WGP é um marco para todos os atletas da América Latina.

“Eu acho que é a expansão do WGP é algo muito significativo, não duvido que o ginásio vai explodir por nós argentinos e estou muito feliz em participar disso. Poder competir no maior evento na América Latina e no meu país ainda, é algo muito importante e tenho certeza que vou dar meu melhor para recompensar todos que estarão torcendo por mim”, encerra.