faaace

O WGP Kickboxing fechará o ano de 2017 com chave de ouro. Depois de sete edições realizadas, a organização desembarca neste dia 15 de dezembro em Buenos Aires (ARG), para sua primeira edição fora do país. O WGP #43 tem como protagonista o paulista Hector Santiago, que defende o cinturão dos leves (até 60kg) pela primeira vez diante do argentino Ignacio Capllonch. E o duelo na casa do adversário não preocupa o brasileiro, que não nega um sabor especial e festeja a expansão do evento na América Latina, um antigo desejo da organização do WGP.

Nascido e criado em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, Hector Santiago sempre foi um amante das artes marciais. Desde da admiração de criança pelo pugilista Mike Tyson em seus tempos áureos até a inspiração no kickboxer Andy Souwer já na fase adulta, Hector sempre teve o sangue das artes marciais correndo nas veias. Depois de começar no kung fu aos 10 anos de idade, ele conheceu o kickboxing ainda na adolescência e a paixão foi instantânea. Agora diante de Ignacio Capllonch ele tem o maior desafio da carreira e mostra que está bem preparado.

“A preparação está ótima, venho pegando pesado na parte física com meu preparador físico Diego Bertachini. Meus mestres Fellipe Lima e Christian Andreossi estão fazendo o trabalho técnico e estratégia de luta, dessa vez contei com ajuda dos meus amigos da Coliseu Team para os sparrings, que me ajudaram muito. Não considero uma pressão a mais defender o título, até porque não encaro como uma defesa, e sim como uma nova conquista do título. Estou com a mesma sede de quando conquistei o cinturão, com a mesma agressividade e vontade”, garante.

Aos 24 anos, Hector possui um retrospecto de respeito no WGP. Foram seis lutas e seis triunfos conquistados. O último deles, diante de Bruno Cerutti, lhe rendeu o cinturão dos leves após uma batalha de cinco rounds. Dessa vez ele tem um desafio ainda maior, o duelo diante do experiente argentino Ignacio Capllonch não só marca sua primeira defesa de título, como acontece na casa do adversário, algo que para Hector só o motiva. A possibilidade de derrotar um argentino na casa dos hermanos também anima o campeão.

“Já vi as lutas do Ignacio no WGP, já acompanhava até um pouco antes dele estrear no evento. É um cara habilidoso e chuta muito bem, mas estou preparado. Tem sim um sabor especial enfrentá-lo na Argentina, querendo ou não torna tudo um pouco mais difícil, e a sensação de superação é incrível. Estou acostumado a lutar com a torcida contra, isso nunca me influenciou, ali em cima do ringue só sobra eu e ele, e só escuto as vozes dos meus técnicos para me orientar”, confia.

E complementa sobre liderar o card que marca a expansão do WGP na América Latina, com o primeiro evento fora do Brasil. “Muito legal ver o crescimento do WGP desde o início, e essa edição pela primeira vez fora do país coroa isso. Será legal estar na luta principal nesse grande evento. Será minha primeira vez na Argentina e estou bem empolgado”, finaliza.

O WGP #43 conta ainda com o GP da mesma categoria. Em uma semifinal o duelo será entre o brasileiro Bruno Cerruti diante do anfitrião Facu Suarez. Na outra chave Lucas Arce, também atleta da casa, encara o chileno Daniel Choque. As superlutas entre Nicolas Ryske e Fernando Nonato e Wallace Lopes diante de Sebastian Martino também prometem muitas emoções. Além da campeã peso-leve Nina Loch que retorna ao WGP para uma superluta em peso combinado diante da argentina Andrea Salazar.