faaace

As lutas principais do WGP #50 prometem agitar a cidade de São Bernardo do Campo, no próximo dia 27 de outubro. Enquanto na luta principal a provocação marca o embate entre Bruno Gazani e Robson Minotinho, em outra disputa de título da noite o cenário é bem diferente. Pelo leves (até 60kg) o campeão Hector Santiago e o desafiante Diego Piovesan repetem o discurso de respeito mútuo entre os dois e o famoso ‘trash talk’ passa longe desse duelo. Depois de Piovesan elogiar Hector foi a vez do campeão retribuir as palavras e projetar sua terceira defesa de cinturão no WGP.

“A admiração é recíproca, Diego é excelente tanto como atleta tanto como ser humano, super humilde e batalhador. Desta vez, obviamente, não vou poder, mas sempre torço por ele”, garante.

Nascido e criado em São Bernardo do Campo, Hector é mais um dos protagonistas do show que estará em casa. Mas talvez a noite seja ainda mais especial para o lutador de 25 anos. Com um cartel invicto e expressivo de oito lutas no WGP, o campeão dos leves desde abril de 2017 vai atuar pela primeira vez na sua cidade natal. Esse ingrediente promete motivar ainda mais o paulista a manter os 100% de aproveitamento no WGP.

“Com certeza essa luta vai ser especial. Eu sempre quis lutar na minha cidade, é um sonho que vai ser realizado e isso torna uma luta ainda mais importante para mim. Estar perto dos amigos e familiares só pode ser algo positivo na vida de um atleta, não consigo ver de forma diferente”, afirma Hector.

Nos dias que antecedem o duelo diante de Piovesan ele manteve o jeito tímido na hora de dar entrevista, se mostrou avesso às provocações pré luta e foi só elogios a postura adversário. Veja abaixo tudo que o campeão falou.

Treinamentos
Preparação está bem intensa, a cada semana aumentando ainda mais o ritmo. O objetivo é sempre estar preparado para uma guerra de cinco rounds. Estou sempre tentando melhorar e acrescentar coisas ao meu jogo, e desta vez não será diferente, podem esperar mais do que as minhas últimas apresentações.

Diego Piovesan
Ele tem um jogo extremamente intenso, ritmo forte e oferece perigo a cada segundo. É diferente dos meus dois últimos adversários, o Facu e o Ignácio. O ritmo do Diego é mais acelerado enquanto acho que os argentinos eram mais técnicos. Mas estou preparado para tudo que ele possa me oferecer. Como um campeão é meu dever estar pronto para tudo.

Jeito tímido de ambos
Eu sei que a promoção de uma luta é importante, mas independente se há provocações ou respeito do outro lado não há nada que influencia minha atitude durante combate. Eu prefiro quando há o respeito, do outro lado é sempre alguém que batalha e sofre como eu no dia a dia. É um companheiro de trabalho e eu busco sempre respeitar e quando a recíproca é verdadeira. É legal quando há o respeito do outro lado. E com certeza isso não influencia no ritmo da luta, porque ambos querem vencer e sempre farei o máximo para conquistar a vitória.

Estratégia e expectativas
Acredito que quem melhor raciocinar durante a luta conseguirá a vitória, ambos têm ritmo forte, quem souber melhor como e quando usar isso vai se sobressair. O final perfeito pra sempre é uma vitória com um belo nocaute, independente quando ou como o que importa é estar com os braços levantados e o cinturão no ombro ao final da luta.