faaace

A poucos dias da última edição do WGP em 2018 a expectativa só cresce. O evento derradeiro, que acontece em Joinville, neste domingo, dia 16 de dezembro, marca a 52ª edição do show com um card para lá de especial. E um dos personagens principais da noite nem imaginava ocupar tal posto há cerca de 15 dias. Elias Rodriguez, paraguaio que encara a estrela da noite Vitor Miranda no main event do WGP Final Tour, aceitou o duelo em cima da hora para substituir o conterrâneo Marcelo Nuñez. E o lutador paraguaio não se intimidou com a luta no Brasil, o nome de peso de Vitor e nem protagonizar a luta principal do WGP.

Elias ainda é um lutador em ascendência. Aos 21 anos ele começou no esporte há oito anos, quando tinha 13. Ex-jogador de rugby na adolescência, ele começou no MMA até migrar para o Kickboxing. O lutador de Assunção no Paraguai vai fazer sua estreia no WGP, mas soma números importantes. São 11 vitórias e apenas duas derrotas na carreira e a bagagem de títulos como o campeonato paraguaio de K-1. Com a trocação e low kicks como pontos fortes, Elias terá o maior desafio da carreira pela frente diante de um adversário com quase o dobro de sua idade e muito mais experiência.

“Estou muito feliz por esta oportunidade de lutar no WGP, o melhor evento no cenário sul-americano. Eu acompanho o evento há muito tempo, com certeza era um objetivo fazer parte disso e quis o destino que fosse assim. A verdade é que eu não tive muito tempo de preparação desde que fui chamado, mas não fico pensando nisso, estamos trabalhando intensiva e estrategicamente para chegar forte no dia 16 e trazer a vitória para o Paraguai”, afirma o lutador.

Hoje, Elias se dedica somente as artes marciais e dá aulas para garantir a fonte de renda. Fã do lutador do Gokhan Saki, um dos nomes mais conhecidos no cenário do kickboxing mundial Elias vai atuar pela primeira vez em território brasileiro e não esconde a felicidade por enfrentar um nome tão conhecido como Vitor Miranda.

“Como falei, estou muito satisfeito pela oportunidade de mostrar meu trabalho em uma luta principal de um evento do porte do WGP e diante de um cara como o Vitor melhor ainda. Sei que é grande lutador, um bom atacante e acho que vai ser uma boa luta. Sei que ele pode me oferecer perigo de várias maneiras, mas estou me cuidando e me preparando para mostrar meu melhor e surpreendê-lo”, garante Elias.