faaace

Atrações não faltam na última edição do WGP Kickboxing em 2018. Com um card recheado de grandes lutas, presença ilustre e disputas de título, o evento, que acontece em Joinville, Santa Catarina, no próximo dia 16, conta ainda com Superfights que prometem esquentar ainda mais os principais duelos da noite. E uma dessas lutas pode ser decisiva para o futuro da categoria dos leves (até 60kg). O boliviano Renzo Martinez, que vive grande fase no evento e está cotado entre os melhores da divisão, encara o curitibano Fabricio Zacarias. Enquanto o brasileiro tenta conquistar sua primeira vitória no WGP, Renzo pode garantir uma chance pelo cinturão caso leve a melhor no duelo.

Aos 30 anos, Fabrício Zacarias, mais conhecido como Zaka, tem uma história ligada ao esporte desde a infância. Com início no karatê aos seis anos de idade, ele foi apresentando ao kickboxing aos 13 e não parou mais. Inspirado no seu antigo mestre, Osmar Fernandes, treinador muito conhecido em Curitiba por formar vários campeões, ele iniciou a carreira profissional em 2012. Desde então soma 23 lutas disputadas, com 16 vitórias e apenas seis derrotas. Com passagens por eventos internacionais no Japão e na Argentina, Zaka chega motivado para seu segundo duelo no WGP.

“Para esta luta tenho distribuído muito bem minha preparação técnica, física e psicológica. Quando acho o equilíbrio destas três vertentes me torno um lutador muito perigoso. Periodizei meu treinamento para chegar ao máximo do meu rendimento no dia da luta e proporcionar aos fãs um grande show. Em minha outra luta no WGP acabei errando na minha estratégia de luta por não me atentar as regras do evento, em que conta como critério de desempate o terceiro round da luta. Imprimi bem meu ritmo nos dois primeiros rounds e administrei no terceiro round o que acabou me prejudicando na pontuação final”, afirma.

Inspirado também em dois nomes conhecidos do cenário nacional como Anderson Braddock e Cesinha Almeida, que segundo ele o ensinaram muito em vários camps que fizeram juntos, Fabrício posta nas mãos pesadas e nos chutes rápidos para surpreender o rival, que vive grande fase e foi elogiado pelo brasileiro. “Para essa luta sei que meu adversário é muito explosivo, tem boas combinações e um chute potente de esquerda. Vou apostar em minha movimentação e experiência para achar o momento ideal para interromper essa fase de vitórias dele. Podem apostar que estou bem preparado para vencer esse duelo e iniciar minha corrida pelo topo da categoria.

O boliviano Renzo Martinez chega para o WGP #52 com motivação de sobra. Com apenas 21 anos, o lutador de Santa Cruz de La Sierra é uma das promessas da divisão dos leves e já começa a buscar seu espaço rumo ao cinturão da categoria. Ele vive grande fase no evento ao emendar três vitórias na últimas quatro vezes em que esteve no ringue do WGP, sendo que sua única derrota foi na final do Challenger GP, na edição 48, para o atual campeão Diego Piovesan, em que lutou com o joelho lesionado. Sua última atuação, diante de Robson Bull Terrier, na edição 50, foi motivo de elogios dos fãs, lutadores e até da organização.

“Eu estou realmente surpreso com essa ascensão tão rapidamente. Tenho 21 anos, quase ninguém acreditava em mim, exceto meus treinadores e minha família. Eu tenho nocaute mais rápido da história da organização e desde aquele dia eu tenho trabalhado duro para alcançar meu objetivo, o cinturão de 60kg. Estou pronto para lutar pelo título agora, é o meu sonho, esse é o meu objetivo. Eu durmo, eu acordo, eu treino, eu como, focado só nisso”, afirma Renzo.

Com um estilo irreverente e às vezes até provocativo, Renzo surge como um forte candidato ao cinturão dos leves. Na carreira ele soma oito vitórias em 12 lutas disputadas e detém o título de campeão sul-americano de kickboxing nas regras amadoras. Em nítida evolução, o boliviano promete dar trabalho na divisão em busca da chance pelo cinturão, mas antes precisa passar por Fabricio Zacarias.