faaace

A última edição do WGP Kickboxing em 2018 reserva uma estreia para lá de especial. Inspirado pela sua trajetória na luta em pé, Vitor Miranda fará seu debute no maior evento de kickboxing da América Latina. O ex-lutador do UFC vai medir forças com Elias Rodriguez na luta principal do WGP 52, que acontece neste domingo, dia 16, em Joinville, sua cidade natal. E o veterano lutador vem encarando a chance como um recomeço e não esconde de ninguém que se sente mais à vontade na luta em pé. A curiosidade fica por conta da diferença de idade entre Vitor, de 39 anos e seu adversário, Elias, de apenas 21.

A trajetória de Vitor Miranda está diretamente ligada à luta em pé desde seu início. Aos 39 anos, o catarinense fez sua carreira toda no muay thai e no kickboxing até 2008, quando desiludido com o fim do tradicional K-1 decidiu migrar para o MMA. De lá para cá se passaram 10 anos e Vitor conseguiu números importantes como o segundo lugar no TUF Brasil 3, o que lhe rendeu um contrato com o UFC, onde passou quatro anos e somou três vitórias e quatro reveses.

Com o fim do vínculo com o Ultimate, ele tomou uma importante decisão: voltar às suas origens. E, segundo Vitor, nada melhor que retornar no WGP, principal evento de em luta em pé da América Latina e, de quebra, se apresentar em sua cidade.

“Estou muito feliz de voltar a luta em pé. Poder concretizar esse retorno em um evento do nível do WGP, que todo mundo sabe que é o maior evento da América Latina e a principal porta dos lutadores brasileiros para o Glory, é muito satisfatório. Tirando que vou lutar na minha cidade, para meus amigos, minha família. Tenho certeza que vai ser marcante”, afirma Vitor.

O tempo lutando MMA trouxe ainda mais experiência ao lutador catarinense. E ela será colocada em prova na sua estreia no WGP ao encarar um atleta 18 anos mais novo. No kickboxing, Vitor soma números expressivos. São 23 vitórias, sendo 18 por nocaute e apenas oito reveses.

“Ele é um cara novo, mas já está há um tempo na luta e tem muitas lutas no kickboxing. Então vai ser aquele clássico, juventude versus experiência. Acredito que a minha experiência vá prevalecer”, afirma para completar sobre chance de lutar em casa. “Pra mim é bom demais. Eu já lutei duas vezes neste ginásio que eu vou lutar aqui em Joinville e a galera sempre comparece. Acredito que depois da minha saída do UFC que eu tenho o nome mais forte na cidade… Eu acho que vai lotar e estou muito empolgado para essa apresentação”.

O lutador carrega o apelido do vilão Lex Luthor, personagem de histórias em quadrinhos, devido a semelhança física. Vitor tem ainda um canal no Youtube dono de uma linguagem muito parecida com a dos youtubers mais famosos (pede likes, faz sorteios entre os seguidores, interage com eles nos comentários…), ele tem dividido seu tempo entre os treinos e a produção, gravação e edição do seu canal.