faaace

Atrações não faltam na primeira edição do WGP Kickboxing em 2019. No próximo dia 6 de abril, a cidade de São Bernardo do Campo recebe a edição 53 com um card recheado de estrelas e grandes nomes. Entre as três disputas de cinturão da noite, uma delas vem dando o que falar desde o ano passado. O combate entre o campeão dos super-médios Diego Gaúcho e o desafiante Jonas Salsicha era para ter acontecido em 2018, mas Gaúcho estava impossibilitado de atuar. E esse tempo só aumentou as expectativas ao redor do embate, ao ponto do desafiante mapear cada ponto do jogo do campeão, dado o tempo de estudo.

Aos 24 anos, Jonas Julio, conhecido pela alcunha de Salsicha Jones, chega para o desafio mais importante da sua carreira. Após vencer o Challenger GP da categoria na edição 46 ao bater Patrick Furtado e Alex Canguru, em maio do ano passado, ele garantiu a chance de disputar o título da categoria. No WGP, ele soma outras duas lutas com 100% de aproveitamento. Já na carreira Salsicha tem 17 vitórias em 20 lutas disputadas. Para o combate diante de Gaúcho ele festejou o tempo de preparação e o intercâmbio com campeões do WGP como Bruno Gazani, Cesinha Almeida e Felipe Micheletti.

“A preparação está ótima. Esse tempo consegui fazer um camp bem amplo. Treinei com a galera da União ABC, o Danilo sempre me dá uma força junto com o Gazani. Treinei com o Cesinha no Corinthians, com o Micheletti em Sorocaba. E nesse final também treinei com o Cavalo. Acho que isso foi muito produtivo para adquirir experiência. E na parte física estou melhor que nunca, já que é um ponto onde meu treinador pega bastante no meu pé”, afirma.

Os treinos com Rodolfo Cavalo significam mais que um simples intercâmbio. Cavalo foi o último oponente de Gaúcho no WGP, em dois duelos pelo título. E por pouco ele não destronou Gaúcho, sendo nocauteado no último round de um duelo que estava vencendo. Essa troca de experiências serviu também para Salsicha mapear os pontos fortes e fracos do campeão.

“Por ser um atleta que está há muito tempo no cenário fica mais fácil de estudar. Por ter mais conteúdo também. Gaúcho é um cara que chuta muito, tem um bom boxe. Assim como eu não o subestimo espero que ele faça o mesmo. Meu mestre sempre fala que o nocaute é a consequência de um bom trabalho e é isso q estou pronto para fazer. Vi as duas lutas contra o Cavalo, trocamos ideia e sei muitas das brechas que ele tem no jogo”, garante.

Salsicha também não deu muita importância para o tempo até esse duelo ser marcado e nem os motivos do campeão para não poder lutar no ano passado. “Foi difícil esse tempo porque eu queria lutar logo, mas no final foi melhor assim. Estou muito melhor do que estava da última vez em todos os aspectos e pronto para ser campeão”, finaliza.