faaace

A primeira edição do WGP Kickboxing em 2019 tem ingredientes de sobra para uma noite histórica. E um dos momentos mais aguardados do próximo dia 6 de abril, em São Bernardo do Campo (SP), é a disputa de cinturão dos super-leves entre o atual campeão Paulinho Tebar e o desafiante Jordan Kranio. Esse será o segundo embate entre dois após um primeiro duelo muito equilibrado, que acabou empatado. A pouco menos de um mês do WGP 53, Tebar falou sobre a preparação, o atual momento seu e do adversário e também sobre o intercâmbio de treinamentos com Emerson Falcão e Bruno Gazani.

Aos 28 anos, Tebar vive uma das melhores fases da carreira, se não a melhor. Defendendo uma invencibilidade de oito lutas no WGP, o paulistano refuta o rótulo de auge da carreira, mas se vê no caminho certo e promete uma postura diferente diante de Jordan Kranio no segundo encontro entre os dois.

“Fico muito feliz de estar há tanto tempo invicto no WGP, na época foi uma derrota por decisão dividida e ainda aceitei a luta faltando 15 dias. É uma satisfação muito grande poder manter essa regularidade dentro de um evento do nível do WGP. Eu ainda não me vejo no auge da carreira, acredito que tenho muito o que evoluir. Acho que estou no caminho certo apenas. Em relação a última aparição, preciso só lutar mais e não só controlar o combate, mostrar mais um pouquinho do que eu sei fazer mesmo”, afirma.

A última aparição a que Tebar se refere foi o triunfo diante de Nikolas Vega, no WGP 48, na Argentina. A vitória foi a 35ª na carreira profissional de Tebar, que aproveitou para falar sobre o período de preparação para essa luta e o intercâmbio feito com dois grandes nomes do cenário nacional, Bruno Gazani, que encabeça o card do WGP 53 diante de Petros Cabelinho, e Emerson Falcão, ex-campeão da categoria de Tebar.

“Falcão ficou quase dez dias aqui comigo e também vou passar uma semana lá com ele. É um cara bem estrategista, bem inteligente e acho que tem muito a agregar no meu jogo. E eu tenho ido direto lá na União ABC também treinar com Gazani e Danilo. Isso é muito importante, lá eles são bem intensos e isso te deixa mais cascudo, pela rotina e intensidade que eles têm de treinamento”, garante.

Veja as demais respostas de Paulinho Tebar abaixo.

Preparação
A preparação está sendo uma das melhores, pelas pessoas que estão me ajudando. Em relação ao tempo de preparação não muda muito, porque a gente aperta os treinos faltando três semanas, enquanto isso só mantemos o corpo ativo e quando vai chegando perto que pegamos mais forte.

Jordan Kranio
Acho que o Kranio tem um jogo de começo de lua, de primeiro round. Pode ser que ele tenha melhorado, vindo com uma outra cabeça para essa luta. Mas acredito que o mais perigoso seria entrar uma mão e eu sentir, mas ao longo da luta acho que tenho mais chance de ganhar. Ele costuma vir com tudo nos primeiros rounds e se nocautear beleza, mas se não, deixa cair um pouco o ritmo. Vamos ver, pode ser que ele venha diferente dessa vez, o importante é que vou estar preparado.

Duelo em casa
Acho sempre legal lutar em casa para a família, para os alunos eles gostam de estar acompanhando. Pela energia é legal, é gostoso, todo mundo torcendo. Mas não vejo como a coisa mais importante, já lutei em Curitiba, defendi o cinturão lá na Argentina contra um argentino. Lá dentro isso não influencia em nada, são dois malucos se quebrando tentando um machucar o outro e não há torcida que vá gritar e vá te incentivar, é você com você mesmo e é isso.