facee

Atrações não faltam na segunda edição do WGP Kickboxing em Brasília. Na noite do próximo sábado, dia 15 de junho, a capital federal vai tremer com um card daqueles. O show de número 55 tem Guto Inocente colocando o título em jogo, Emerson Falcão retornando e um Challenger GP que vem dando o que falar. Com um representante de cada país, o novo desafiante dos super-leves será conhecido. A segunda semifinal entre o mexicano Josue Tuzo e o boliviano Ivan Ibarbe promete pegar fogo. E os dois falaram sobre as expectativas às vésperas do evento. Do outro lado da chave estão o brasileiro Eduardo Borba e o argentino Tomas Aguirre.

Josue ‘Tuzo’ Cruz é mais um caso de lutadores que tiveram as artes marciais no sangue desde que nasceram. Filho de lutador, ele iniciou no kickboxing bem novo, aos 5 anos de idade, através do pai que sempre foi seu treinador. A primeira competição veio aos 12 anos e desde então ele não parou mais. Hoje Tuzo concilia os treinos com as aulas de exercícios funcionais e garante que sua inspiração para lutar veio de nomes como o canadense Simon Marcus, o thailandes Ajahn Suchart e o francês Elias Mahmoudi. No WGP chega recheado de expectativas.

“A preparação tem sido muito forte. Muita dedicação em cada treino e principalmente muita paixão. Mudei algumas táticas para essa luta e sinto-me muito entusiasmado com a oportunidade que o WGP me deu de participar deste GP. Vou para ser campeão e disputar o cinturão”, afirma.

O apelido Tuzo veio graças a sua paixão pelo time de futebol mexicano Pachuca. Com tanto envolvimento com a torcida acabou agregando a forma com os torcedores do time são chamados (“Los Tuzos del Pachuca”) a seu nome. Com títulos importantes no cenário da América Central, Tuzo vai fazer sua estreia em território brasileiro. Aos 22 anos ele ainda está invicto na carreira com 100% de aproveitamento em cinco lutas disputadas.

“Eu nunca lutei no brasil e para mim é uma ótima oportunidade para representar meu país fora de casa. Eu realmente não sei muito sobre o meu adversário, mas estou ciente de que todos que pisam no ringue vão com a mentalidade vencedora, de modo que ele é forte e está fazendo de tudo para ganhar e isso só me motiva mais”, garante.

Adversário de Tuzo, o boliviano Ivan Ibarbe tem uma história de vida inspiradora. Vindo de uma infância muito pobre, ele viveu muitos anos em um centro de reabilitação na Bolívia até conhecer o kickboxing através de seu mestre Marcelo Salas. Com a vida dedicada às artes marciais tudo mudou e ele viu seu destino tomar um rumo correto. Hoje ele retorna ao WGP para a grande chance de sua carreira: chegar até a uma disputa de título do evento.

“Estou dando tudo de mim, vou chegar no meu melhor momento, vou fazer história e vou mostrar que na Bolívia temos campeões. É a oportunidade que tenho esperado desde que conheci o WGP, não vou desperdiçá-lo. Eu tenho três lutas no Brasil dentro do WGP, então estou acostumado a lutar fora da Casa. Só preciso do apoio de toda a Bolívia”, garante.

Apesar dos 24 anos, Ibarbe soma um título importante no amador como o Sul-americano de Kickboxing e ainda quatro participações no WGP, com três derrotas e uma vitórias. Ele também é companheiro de treinos de Renzo Martinez, um dos grandes nomes na categoria dos leves e que vem chamando bastante atenção por suas atuações. E Ibarbe falou também sobre o primeiro adversário. “Eu sei que todos eles são ótimos lutadores, com muita bagagem. Mas eu sou muito calmo e com bastante foco no meu trabalho. Então só penso em chegar no dia 15 e mostrar que posso ser o campeão da categoria”, finaliza.