faaace

A noite do último sábado, dia 15 de junho, foi histórica para o brasiliense Guto Inocente. Referência do kickboxing na sua cidade, Guto protagonizou a luta principal do WGP 55 e fez a festa da galera ao bater o albanês Francesko Xhaja por unanimidade e manter o título dos super-pesados (+94,1kg) em uma verdadeira guerra de cinco rounds. O evento, que aconteceu pela segunda vez na capital federal, mas a primeira com Guto no card, foi recheados de lutas empolgantes, como a conquista do Challenger GP dos super-leves (até 64,5kg) pelo argentino Tomas Chacal e a derrota de Emerson Falcão para o etíope Kebrome Neguse em duelo muito equilibrado. E alguns dias após o embate, Guto abriu o jogo sobre sua atuação, a volta ao WGP e a chance de atuar na frente de amigos e familiares.

Se apresentar em Brasília pelo WGP, diante de toda sua legião de fãs, era um desejo antigo de Guto Inocente. Na noite do último sábado ele conseguiu colocar isso em prática. Diante de um ginásio que o empurrou do início ao fim do duelo, ele encontrou uma pedreira pelo caminho. O albanês Francesko Xhaja, com bons números no cenário europeu, não era muito conhecido do povo brasileiro, mas fez bonito e vendeu caro a derrota. Com uma atuação consistente defensivamente, ele conseguiu aguentar os melhores momentos de Guto e chegou a conectar alguns bons golpes durante o duelo. Para Guto, a vitória foi o mais importante e, apesar de buscar o nocaute, saiu satisfeito com seu rendimento.

“A luta foi boa, da forma como eu achei que seria mesmo. Sabia que ele era um lutador duro pelo pouco que tinha visto e isso se comprovou lá em cima. Um cara forte e difícil de acertar, tentei minar as pernas dele com os low kicks, mas ele resistiu muito bem até o final da luta. Claro que sempre entro querendo nocautear, mas o mais importante é conseguir dar meu melhor e sair com a vitória. E isso eu fiz e pude comemorar com meus amigos, familiares e todo mundo que torce por mim. O saldo foi bem positivo”, afirma.

Lutar em Brasília não é tanta novidade para Guto, já que ele é nascido e criado na cidade. Porém, foi a primeira vez que o lutador se apresentou no local em um evento do porte do WGP e pôde sentir de perto a sensação de estar em casa, literalmente. A última luta de Guto na sua cidade havia sido há cinco anos atrás.

“Lutar em casa é sempre muito bom. A energia positiva da galera me fortalece muito e com certeza isso foi importante na hora da luta. Tinha um tempinho que eu não lutava aqui e essa foi a primeira vez em um evento desse nível, então com certeza foi especial, a vitória veio e vou guardar essa noite para sempre comigo”, garante.

Depois de defender o cinturão dos super-pesados, Guto já planeja os próximos passos. Lutador do Glory, maior evento de kickboxing do mundo, ele está entre os melhores do mundo de sua categoria e faz mistério quanto a sua próxima luta, mas ressalta a importância da manutenção do título do WGP.

“Agora já estou me preparando para minha próxima luta. Mas ainda não posso divulgar a data, mas vai ser em breve. E estou sempre pronto para defender o meu cinturão do WGP. Qualquer um, qualquer hora e qualquer lugar. É sempre muito bom participar do evento e com certeza voltarei mais vezes, dessa vez para nocautear”, finaliza.